É hora de vacinar as crianças contra o sarampo

Começa na segunda-feira (07) a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. A primeira fase, de 07 a 25 de outubro, será voltada para crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade, com dia D em 19 de outubro. Já a segunda etapa está prevista para iniciar no dia 18 e novembro e será direcionada para adultos de 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia. A meta é vacinar 2,6 milhões crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões adultos.

Ana Laura e o pai, Flavio Vargas Bernardo. Foto: TV Brasil

Ana Laura completou um ano há uma semana e acabou de tomar a primeira dose contra o sarampo. “Não deixamos passar. Desde que ela nasceu, tomou todas as vacinas nas datas corretas e o sarampo foi uma das coisas que mais preocupou nos últimos meses”, disse o pai, Flavio Vargas Bernardo.

O professor de Brasília, Ismael Teixeira, também já vacinou o filho de um ano. “É importante conscientizar os pais a participarem trazendo os seus bebês para manter a saúde da criança em ordem”, afirmou.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, chamou a atenção para a necessidade da segunda dose. De acordo com o ministro, a cobertura da primeira dose é de 92%. Já a da segunda dose cai para 80%.

“Na segunda dose, pais estão deixando a desejar. A vacina é um direito da criança e um ato de amor”, disse o ministro. Segundo o ministério da Saúde, 39 milhões de brasileiros de um a 49 anos não são vacinados ou tomaram apenas a primeira dose, não estando imunizados.

Este ano, a luta contra o sarampo conta com três novidades: a dose zero, recursos extras para municípios que mais vacinarem, e o dobro de doses em relação ao ano passado. Além disso, o governo anunciou a criação de dez passos para aumentar a cobertura vacinal no país. A partir do ano que vem, os idosos de 50 a 59 anos também deverão se vacinar.

Sobre as fake news e pessoas que não dão valor à importância da vacinação, o ministro lembrou que esta é uma geração que não viveu a dor de várias doenças. “Diferente das avós e bisavós, hoje, quando se fala de difteria ou sarampo para alguém de vinte anos, nem sabe o que é. Tem gente que não sabe o que é rubéola ou caxumba, então não dá o devido valor”.

Dose Zero

A maior incidência de casos de sarampo vem ocorrendo em crianças menores de um ano. Por isso, o governo intensificou a imunização com a chamada dose zero. Ela é uma dose extra que não retira a importância de, após completar um ano, a criança tomar as duas doses normais: a dose 1 e a dose 2.

Recursos extras para municípios que mais vacinarem

Outra novidade da Campanha deste ano é um recurso extra no total de R$ 206 milhões para os municípios que vacinarem mais de 95% das crianças de um a cinco anos de idade com a primeira dose da vacina tríplice viral. Para receber esse recurso adicional, os municípios precisam também informar mensalmente o estoque das vacinas de poliomielite, tríplice viral e pentavalente.

Dobro de doses

Para ampliar a vacinação em todo país, o Ministério da Saúde fez a maior compra de vacinas contra o sarampo dos últimos dez anos. Ao todo, foram adquiridas 60,2 milhões de doses da tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Em 2018, foram 30,6 milhões de doses.

Dez passos para ampliar cobertura

O governo também anunciou a criação de dez passos para a ampliação da cobertura vacinal em todo país.

O primeiro deles é manter as salas de vacina abertas. Hoje 1.100 unidades em todo país mantém o horário de atendimento estendido. O objetivo é aumentar o número de salas que funcionam 24 horas e aos finais de semana.

Outro passo é evitar complicações na hora da vacina, como a obrigatoriedade de comprovante de residência, bastando apenas o cartão do Sistema Único de Saúde (SUS).

Entre os passos, estão também anotar a vacina na carteira, combater fake news, intensificar a imunização em momentos de surto, ter sempre vacinas disponíveis nas unidades e equipes treinadas, e aproveitar as oportunidades de vacinação, como consultas ou outros procedimentos na unidade de saúde.

Números de casos

Nos últimos 90 dias, o Brasil registrou 5.404 casos confirmados de sarampo. De acordo com o novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado nesta sexta-feira (04), 97% (5.228) dos casos estão concentrados em 173 municípios do estado de São Paulo. Os outros 176 casos foram registrados em dezessete estados, além do Distrito Federal: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão, Paraná, Piauí, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Ceará, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Pará, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Goiás, Bahia e Sergipe.

Foram confirmados seis óbitos por sarampo no Brasil, sendo cinco em São Paulo e um em Pernambuco. Quatro mortes ocorreram em crianças menores de 1 ano e dois em adultos com 31 e 42 anos.

Fonte: Governo do Brasil