Projeto irá trazer a 1ª Ópera de Chamamé do Mercosul para São Miguel das Missões

8 de dezembro de 2018 São Miguel das Missões será cenário de uma das maiores produções cênicas do Rio Grande do Sul.

0
76
views

O mais importante cartão postal do Rio Grande do Sul, será, o cenário de uma ópera que possui em seu roteiro a história das reduções Jesuíticas a musicalidade dos povos indígenas guaranis a vinda do acordeón através dos imigrantes italianos, contada pela música de Alejandro Brittes e um corpo cênico de 300 pessoas entre eles, atores, músicos, coro sinfônico, Orquestra e bailarinos.

Chamamé, uma história a ser contada!

Terra sem Males a Origem do Chamamé, é o título desta Ópera que envolve quatro países Brasil, Argentina, Paraguai e Itália e contará através do seu roteiro operístico a história do gênero musical o chamamé.

O corpo artístico do projeto conta com a produção de aproximadamente 600 pessoas e já se encontra na pré-produção com o apoio da prefeitura Municipal de São Miguel das Missões pelo atual secretário de Turismo e Cultura, Fabiano Moraes e da AMM – Associação do Municípios das Missões através de seu presidente Brasil Sartori.

Em janeiro de 2018, os municípios que fazem parte da Ruta Jesuítica, receberão através desta iniciativa formação cultural gratuita. Estimasse que mais de 800 pessoas dentre elas crianças, jovens e adultos terão mil horas de capacitação musical, canto, interpretação e dança, que resultará em um patrimônio importante para a região e um grande aporte na composição do espetáculo.

Com a Ópera, São Miguel das Missões e a Ruta Jesuítica receberá a atenção internacional redobrada, pois a estreia internacional da peça acontecerá na Arena de Verona – Verona, Itália no maior palco a céu aberto de Óperas do mundo. Na Europa, o projeto já possui apoio da Fundação da Arena de Verona, da Comune de Verona e de diversas associações Ítalo – Brasileiras.

O projeto é idealizado pela produtora cultural Magali de Rossi que também é a proponente do projeto junto ao Ministério da Cultura. O projeto está aprovado junto a Lei Rouanet, e se encontra apto para a captação de recursos.